segunda-feira, 20 de março de 2017

Reversi A Lá "Psiquê"




Bom dia a todos

Pessuar, eu quero abordar aqui três assuntos que de certa forma estão totalmente ligados à esfera psicológica humana, e que de forma bem simples inundam nossa psique antes que sejamos capazes de atinar qualquer reação possível em represália a elas. Pois bem, sabe quando você está lá jogando todo tranquilo e quando se da conta, jogadas e movimentos simples que sempre executou sem titubear de repente somem da sua cabeça?
Ou quando você se vê preso num ralo de lama tentando sair de uma situação específica no jogo e afundando cada vez mais? Ou pior, quando você encara um jogador que não sabe nem onde está e o que está fazendo, e pensa que o está jogando Pac-Man do Atari ao invés de Reversi, e começa a pegar todas as peças possíveis de uma só vez e de maneira rápida, causando te deixando totalmente confuso e desnorteado. É isso ai meu(minha) caro(a) amigo(a) leitor(ora), a primeira situação eu nomeio de inconstância natural, a segunda eu nomeio de vórtice do desespero e a terceira de Síndrome do Pac-Man, todas  são normais e podem acontecer com qualquer jogador, não importando o nível em que esteja no momento, então novatos e campeões mundiais podem sofrer o mesmo infortúnio, mesmo que seja em formas e graus diferentes. Vou abordar cada uma delas logo abaixo, a classificando e discorrendo um pouco sobre elas, talvez uma breve tipificação desses fenômenos.


Inconstância Natural

Eu costumo falar que uma das maneiras de se identificar um programeiro profissional é justamente a sua total constância rítmica de vitórias ininterrupta, quase sempre são adversários inexcedíveis, imbatíveis e inabaláveis, além de um ego megalomaníaco na maioria da vezes, caracterizando falta de empatia ou bom senso, (deixando beeem claro aqui que não existe só um tipo de “trapaceiro” virtual, esse que citei é o mais simples de se identificar, se eu abordar os outros tipos, vocês iriam ficar de queixo caído, é uma miscelânea de comportamentos traçados que podem fazer uma pessoa a se viciar em trapaça) Agora voltando ao assunto... Ou seja, há uma total dissonância entre a capacidade social do sujeito incluindo sua consciência emocional, com o lado cerebral que cuida das abstrações necessárias, ou seja, têm-se a impressão de que fatores sociais e emocionais não influenciam sua capacidade analítica de jogo, eu poderia dizer de uma maneira bem “porcamente” e reduzidamente, já que não sou dessa área, que de alguma forma o sistema límbico não conversa com o lobo frontal do sujeito, o que apontaria que:  Ou o jogador inabalável em questão sofreu alguma lesão cerebral que tenha desvinculado os dois conjuntos neurais de alguma forma, ou, e mais provavelmente, ele não necessita utilizar tais áreas cerebrais ligadas a cognição, pois o programa já faz isso por ele. Talvez eu não esteja conseguindo ser claro o suficiente, então vou resumir, até onde eu sei não há ser humano capaz de vencer todas as partidas, ser humano capaz de estar bem tanto no jogo quanto emocionalmente todos os dias da vida, sem estresse, sem derrotas e sem nada que seja considerado negativo e natural a vida humana. Na verdade, o normal seria quando falamos de Reversi ou qualquer outro tipo de jogo, DERROTAS E VITÓRIAS com alguns empates eventualmente; é justamente a isso que nomeio de: Inconstância Natural. Se você tem dias que perde todas, dias que perde menos, mas ainda assim está longe da forma ideal, e já em outro ganha quase todas as partidas, bem-vindo jovem, você é normal, você é um ser humano, não uma máquina.

Agora você pode me perguntar o seguinte: O que causa isso?

Como já deixei a pista da resposta acima, só me cabe agora complementar, e é justamente isso mais ou menos ai que você pensou, o lance de jogar bem/mal/regularmente em dias diferentes está ligado além de outros, a fatores sociais e naturais tais como o sono, alimentação, estresse, ansiosidade, irritabilidade e preocupações do dia a dia. Uma pessoa ansiosa por exemplo, não tem paciência para analisar o melhor movimento, o que o empurra para derrotas relacionadas aos pequenos erros somados sistematicamente durante uma partida, já o estressado quer às vezes ganhar sem pensar muito, quer ganhar no grito mesmo, o mal alimentado pode estar com falta de nutrientes necessários para maior flexibilidade do tecido neural, como por exemplo a vitamina C, que ajuda em vários benefícios do nosso sistema nervoso central, além de aprimorar a “conversação” sináptica. E quem aqui nunca ouviu falar no famoso Omega 3? E antes que falem, não estou sendo patrocinado a nada não (risos), Tá legal, que também ajuda na memória e em outras coisas também. E nem preciso falar aqui do decadente nível intelectual de uma pessoa que esteja com um alto nível de estresse, né? O cérebro é incapaz de trabalhar adequadamente se não estiver bem cuidado, e isso é algo já sabido de todo mundo, não há novidade alguma nisso. E ainda irão me dizer: “Ah Fabrício, mas e se a pessoa não estiver estressada, ansiosa ou mal alimentada ou nada disso ai que você falou, ela não irá jogar bem e ganhar quase todos os dias?” Hummm... Não, não vai. Falo isso porque além disso tudo ainda teria a questão das habilidades, treinos, técnicas pessoais e nível de inteligência, e mesmo que o sujeito fosse o Einstein, existiria uma coisa da qual ele não poderia jamais escapar: A sua condição humana, e até onde eu sei, todo ser humano erra, logo ele perderia muitas vezes. O melhor e maior ser humano de todos, nunca deixou de ser humano acima de tudo. Como bem dizia Nietzsche: “Humano, demasiadamente humano”.

 E ai, e sobre os tais vórtices do desespero, afinal o que seria isso?

Vórtice do Desespero

Esse é até engraçado, e eu ainda vivo caindo nisso, como também adoro fazer com os outros assim que percebo que o oponente está tentando desesperadamente se agarrar a algo, que geralmente é uma pecinha específica no jogo que ele perde e tenta A QUALQUER preço recuperá-la, tentando colocá-la de volta no lugar, geralmente o jogador que faz ou que cai num vórtice do desespero conhece a técnica de acessos, sabe construir pontes no jogo para facilitar sua ida e acesso a outras regiões, e é justamente o seu conhecimento que o destrói. Pois uma vez vendo sua linda ponte destruída, tende a querer  reconstruí-la, muitas das vezes é sim possível, mas e quando não é? E pior, e quando o seu oponente é malicioso o suficiente para saber que não é possível fazer aquilo e usa isso contra você? Eu já presenciei esse fenômeno pela Internet algumas vezes, mas também no tabuleiro cara a cara com o meu oponente, e é incrível ver que realmente a pessoa faz cara de desespero e inquietude sem saber o que está acontecendo, mesmo que a coisa toda esteja estampada na cara dela! Gente, sempre que vocês perceberem que o seu oponente sistematicamente destrói suas jogadas da mesma forma, encare isso como um aviso, você pode estar num vórtice do desespero.
Então o que faço?

Bom, caso esteja em um é hora de mudar de direção, mude a jogada e vá para outro lado e caminho no tabuleiro de jogo, saia com cuidado para uma direção que o criador do vórtice não perceba, e ironicamente o vórtice que ele criou para você, servirá para catapultar ele próprio antes que ele perceba. Nesse jogo aprender como mudar de direção, assim como o vôo dos pássaros, pode ser mais importante que sua velocidade e força de vôo como um Caça.


A Síndrome do Pac-Man

Esse terceiro tema me faz lembrar do livro O Mágico de Oz, quando a casa de Dorothy que foi carregada pelo furacão, cai em cima da Bruxa Má do Leste e a mata. Acho que no jogo quando um jogador meio desastrado que age e joga de maneira tresloucada ganha de maneira tão súbita de um jogador bem mais habilidoso, é algo que só pode ser chamado de sorte mesmo. Esse jogo por mais técnico e abstrativo que seja, e por ser isento a dados ou sorteios como é em jogos como Pôker ou baralho, (e não estou dizendo que a sorte impere no jogo de Pôker por exemplo, que sei que a capacidade analítica e conhecimento percentual imperam mais que a pura sorte em si) tem ainda uma coisa que pode ser entendida como “sorte”, mas a sorte aqui não está no jogo, não está dentro do jogo, está fora. Acredito eu que se caso você jogar rápido pegando o maior número de peças possíveis, sem pensar em nada e apenas tomando cuidado para não entregar os cantos logo de cara, você poderá suscitar confusão no seu oponente, e mais uma vez, quase todos somos suscetíveis a esse tipo de manobra, é quase como uma hipnose, e antes que digam que hipnose é só Fabio Puentes e toda a falcatrua em torno disso, está enganado, para quem não sabe a hipnose é uma ciência, muito usada como ferramenta dentro da psicologia por exemplo, e ela trabalha “sugestões” e uma vez que mentalmente a pessoa está ligada ao mediador, ela pode entrar num estado diferente e alterado de consciência (não estou sendo místico, isso ainda é de esfera biológica-psicológica) então a meu ver, como naqueles casos em que o hipnólogo estala os dedos na frente da pessoa, a chamando de “João” por exemplo, enquanto lhe pergunta o seu nome, e a pessoa demonstra confusão e branco mental, sem conseguir responder o seu verdadeiro nome, nos mostra como o acesso à memória pode ser quebrado com um simples desvio visual ou auditivo, e é mais ou menos, e não tenho a pretensão de afirmar isso, que acontece quando você vê um jogador jogando rápido e virando todas as peças de maneira dissonante com aquilo que você habitualmente está acostumado a ver, nessa hora instintivamente temos o hábito de querer jogar rápido também, sem pensar muito no que fazer, ou de ficarmos atônitos a situação sem saber qual peça virar sem que o seu oponente destrua tudo num só movimento e acabe lhe zerando, vencendo a partida e deixando você sem nenhuma peça.

Então estou hipnotizado? O que fazer?

Se isso acontecer, pare e pense no próximo movimento, geralmente uma coisa que funciona bem comigo é fazer movimentos multidirecionais, como? Revertendo peças em duas direções ao mesmo tempo, à priori não se preocupe em como irá ficar a mobilidade do seu jogo, pois o seu oponente não saberá aproveitar isso em benefício próprio, por ter uma total falta de visão de jogo e não discernir entre virar uma peça ou outra, para ele todas são iguais e todas de uma vez melhor ainda, então depois disso e com uma boa posição em uma das bordas, a vitória será fácil. A não ser que você queira que a casa caia em cima de você, não também que eu esteja acusando alguém de bruxaria aqui. (risos) Faça isso e tente sempre manter a calma no jogo. É isso. J

Bom, é isso, continuem pensando, jogando e treinando.

E até a próxima.

Abraços

Nenhum comentário: